segunda-feira, 25 de março de 2013

Estou emagrecendo!!!! :D



Estou felizzzzzzzzzzzzzzzz!!! "É devagar, é devagar, é devagar, é devagarinho...", mas eu chego lá...rs..rs.. - Menos 2,6k!!!!!

Sushi pode ter mais calorias do que sanduíche e batatas fritas (Fiquei boba agora!!! Amo sushi!!)



A popularização da culinária japonesa está relacionada ao seu status de alimentação saudável e saborosa. Mas será que sushi, califórnia e outros pratos típicos são inofensivos para quem quer perder peso? De acordo com o livro Eat to Lose, Eat to Win (sem tradução para o português), da nutricionista Rachel Beller, um sushi tradicional pode conter de 290 a 350 calorias, com uma quantidade de carboidratos equivalente a duas fatias e meia de pão. E como você nunca vai comer apenas uma peça, um rodízio de comida japonesa pode ser tão calórico quanto um combo de hambúrguer e batatas fritas em uma rede de fast food.

Versões fritas acumulam ainda mais calorias
A quantidade de calorias pode aumentar muito quando são acrescentados à refeição japonesa os pratos fritos e ingredientes além de arroz e peixe. Portanto, não se engane! Uma refeição com três ou quatro sushis equivale a cerca de mil calorias, que poderiam ser encontradas em uma pizza, sanduíches repletos de molho e outros pratos reconhecidamente calóricos.

Principal ingrediente do sushi, o arroz branco chega a representar até 75% de cada peça. A versão utilizada na culinária japonesa é muito processada, o que elimina boa parte das fibras, vitaminas e minerais presentes naturalmente no alimento. No cozimento do arroz ainda são utilizados açúcar e aromatizante, o que termina transformando a refeição saudável em uma bomba de carboidratos.

Sushi contém apenas 5 gramas de peixe
Você também não estará fazendo um bom negócio se costuma comer algumas peças de sushi para garantir as duas porções de peixe semanais recomendadas por especialistas. Para os médicos, cada porção deve equivaler a cerca de 140 gramas de peixe, mas os sushis costumam conter, em média, apenas 5 gramas. Portanto, seria necessário comer cerca de 28 sushis para atingir a cota deste tipo de alimento.

Se a sua intenção é comer peixe, opte pelo sashimi. Feito a partir de um corte preciso de peixe cru, ele garante boas doses de proteína, ômega-3, vitaminas e minerais, sem gordura ou as calorias presentes no arroz.

Fonte: http://gnt.globo.com/bem-estar/noticias/Sushi-pode-ter-mais-calorias-do-que-sanduiche-e-batatas-fritas.shtml

quarta-feira, 20 de março de 2013

Saiba quais trocas fazer na dieta para reduzir ou evitar o colesterol alto


Pequenas mudanças feitas hoje têm grande impacto na saúde no futuro.
Alimentos ricos em fibras ajudam a controlar o colesterol; veja mais dicas

Nunca é tarde para mudar os hábitos – porém, o quanto antes, melhor para a saúde no futuro. Pequenas trocas na alimentação, por exemplo, já podem ajudar a prevenir o colesterol alto e também diversas outras doenças e problemas cardiovasculares, além de evitar que o paciente se torne refém de remédios e consultas médicas no futuro, como explicaram os cardiologistas Roberto Kalil e Raul Dias dos Santos no Bem Estar desta terça-feira (19).

Uma das substituições recomendadas é a troca dos refinados por integrais – no caso do pão, o integral tem mais fibras que ajudam no controle do colesterol, assim como a aveia. Por isso, no café da manhã, a dica é optar sempre pelo pão integral, além do queijo branco, peito de peru, leite desnatado e também as frutas.

O suco de uva também é uma ótima escolha porque tem resveratrol, que pode aumentar os anos de vida e também aumentar o colesterol bom (HDP) – mas, segundo os médicos, para que isso aconteça, a pessoa precisa beber diariamente 500 ml de um bom suco, ou seja, não funciona com os em pó ou de caixinha.

Outra troca boa tem relação com a cor dos alimentos – cebola, repolho e alface brancos podem ser substituídos pelos mesmos alimentos na cor roxa. Isso acontece porque há antocianina, um corante natural e antioxidante, presente na maioria dos alimentos roxos, que pode ajudar a evitar o colesterol alto.

Além disso, os médicos recomendam trocar também salgadinhos por castanhas, sal por ervas e alho, molho branco por molho de tomate, chocolate ao leite por meio amargo, pipoca de microondas por pipoca de panela, manteiga por margarina e também frango com pele por sem pele. Isso porque o colesterol aumenta com a ingestão desses alimentos, além de outros, como carnes gordas, leite e derivados (iogurte e queijos), frios, embutidos, creme de leite, tortas de massa podre, folhados, biscoitos amanteigados, sorvetes de massa, banha animal, frutos do mar e miúdos, como fígado e coração de galinha.

Da mesma maneira que as pessoas se acostumam a contar calorias na hora de fazer uma dieta, faz bem também contar o colesterol – para uma dieta equilibrada e saudável, a recomendação da nutricionista Adriana Ávila é ingerir, no máximo, 300 mg por dia. Porém, fazer as contas não é fácil e, por isso, é importante saber em que alimentos estão o colesterol para atingir essa meta.

Por outro lado, há também os triglicérides, que aumentam quando há excesso no consumo de carboidratos, como por exemplo, açúcar, doces em geral, refrigerante com açúcar, bebida alcoólica, frutas e sucos de frutas, massas, pães, entre outros. O aumento dessa gordura também está relacionado ao excesso de peso e, por isso, se a pessoa emagrece, a taxa de triglicérides diminui.



Hipercolesterolemia familiar
Há também a condição genética para o colesterol alto, causada por um problema de metabolização das gorduras no sangue, chamado de hipercolesterolemia familiar. Os sinais da doença são bolinhas de gordura na pele, taxas elevadas de colesterol ruim (LDL) ou colesterol total no exame de sangue, além do histórico familiar, logicamente.

Por isso, quem tem predisposição ao problema, como a família Cartolari mostrada no programa pela repórter Daiana Garbin (veja no vídeo), deve realizar exames com mais freqüência. No caso dessa família, alimentação equilibrada e atividade física não conseguem sozinhas tratar o problema e, muitas vezes, é preciso usar remédios por toda a vida.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que, ao completarem 10 anos, as crianças façam ao menos uma triagem com o teste da ponta de dedo - é uma picada na ponta do indicador que mede o colesterol total.

Se o resultado for superior a 150 mg/dl, é importante estimular a atividade física e uma dieta mais saudável. Se o resultado for superior a 170, é indicado procurar um médico para fazer um exame mais completo.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/03/saiba-quais-trocas-fazer-na-dieta-para-evitar-colesterol-alto-e-outras-doencas.html

terça-feira, 19 de março de 2013

Você sabia...



que inflamação crônica é um fator de risco de desenvolvimento de doença cardiovascular desde infarto do miocárdio até derrame ?

E que, os indivíduos que comem chocolate escuro regularmente tem em média 17% de redução de proteína C reativa suficiente para diminuir o risco cardiovascular em 1/3 em mulheres e 1/4 em homens ?

Referência bibliográfica:
- Journal of Agricultural and Food Chemistry. Oct 14, 2009, 57(19) 9169 - B

Retirei do Facebook - Dr Rondó

quinta-feira, 14 de março de 2013

Você sabia sobre o Cortisol?



Você sabia...?

Que o cortisol - hormônio do estresse - enfraquece o sistema de defesa do nosso organismo.

Em excesso, o cortisol provoca retenção de líquido e acúmulo de gorduras.

E não é só isso... o hormônio também ajuda a diminuir os níveis de SEROTONINA, e com esse neurotransmissor em baixa, a ansiedade, a depressão e o apetite estão em alta.

Para evitar o excesso de cortisol, temos duas dicas:

Dica 1 - Reserve alguns minutos do seu dia SÓ para VOCÊ.

Dica 2 - Pela manhã, ao acordar, o cortisol está em alta; um bom desjejum ajuda, e muito, a minimizar os efeitos negativos do hormônio, desde que se evite a cafeína. Portanto, nada de pular a primeira refeição do dia! Prefira acordar mais cedo um pouquinho e saia de casa relaxado(a) e com tempo...

MAIS SOBRE CORTISOL

- O que é:

O cortisol é um hormônio intimamente ligado ao sistema emocional, que serve para controlar inflamações, alergias, os níveis de estresse, diminuir a imunidade, manter a estabilidade emocional, estimular o açúcar do sangue e criar proteínas.

Quando o cortisol está alto ou baixo no sangue, pode haver problemas como aumento do peso ou depressão. O diagnóstico do cortisol alto ou baixo é feito com base no exame do cortisol urinário e do cortisol plasmático.

Os níveis de cortisol variam durante o dia porque ele está ligado de certa forma à serotonina, que é responsável pela sensação de prazer e de bem estar. Alimentar-se corretamente e fazer exercícios constituem o melhor tratamento para manter os níveis de cortisol dentro da normalidade.

- Cortisol Alto

O cortisol alto deve ter um tratamento rápido, pois ele gera consequências desagradáveis especialmente para quem quer ganhar mais músculos. Diversas causas podem gerar o aumento do cortisol no sangue, mas a mais comum é o estresse, e neste caso as consequências serão:

perda de massa muscular
aumento do peso
aumento das chances de osteoporose
dificuldade na aprendizagem
baixo crescimento
diminuição da testosterona
lapsos de memória

- Cortisol Baixo

O cortisol baixo corre devido a baixa produção de serotonina, que é o hormônio ligado ao prazer e ao bem estar. Ele pode causar:

depressão
fadiga
cansaço
fraqueza
desejo repentino de comer doces

- Exame do Cortisol

O exame do cortisol é indicado para uma avaliação do nível de estresse do indivíduo, ou para avaliar possíveis inflamações ou alergias. Os valores de referencia para o cortisol plasmático são:

Manhã: 5 e 25 mcg/dl;
Tarde: queda maior que 35% do valor obtido pela manhã;
Noite: queda maior que 50% do valor obtido pela manhã.

Se o médico desejar, ele pode pedir um exame de urina para avaliar o cortisol urinário, segundo a produção do hormônio entre o período da manhã e da tarde, por exemplo.

- Tratamento para o Cortisol Alto

O tratamento para o cortisol alto é feito com o uso de medicamentos, mas o consumo do inhame (por exemplo), constitui um ótimo remédio caseiro. Outras formas de controlar naturalmente os níveis de cortisol no sangue é fazendo exercícios, aumentando o consumo de vitamina C e diminuindo o consumo de cafeína.

Retirei do Facebook - Saúde & Qualidade de Vida

É possível ter uma alimentação saudável sem abrir mão de um docinho?



É possível ter uma alimentação saudável sem abrir mão de um docinho?
Sim, é só tomar alguns cuidados:

- O ideal é que o doce seja ingerido depois das refeições.
Como já estamos de estômago cheio a quantidade ingerida tende a ser menor!

- Evite o consumo de doces em jejum.
Isso porque a ingestão faz com que o organismo sofra com picos de glicose e insulina. E esse aumento repentino e frequente está ligado a problemas mais sérios, como obesidade e diabetes.

- Os doces mais recomendados são as frutas frescas, como o abacaxi e o mamão, que possuem enzimas naturais com propriedades digestivas. Se você quiser algo mais açucarado opte por frutas desidratadas, bananada sem açúcar ou um picolé de frutas. E caso você não resista a um chocolate, opte pelo amargo, ele contem mais cacau e menos açúcar na composição, além de antioxidantes benéficos à saúde.

Retirei do Facebook - S de Saúde

Você sabia...?



Comer a cada três horas acelera o metabolismo. Quando você faz poucas refeições e, na maioria, em grande volume, o organismo tende a economizar energia ao invés de gastar, contribuindo para o ganho de peso. Já quando você se alimenta várias vezes durante o dia, e em menor volume, o gasto de energia é maior, auxiliando no emagrecimento.

Dica: estabeleça horários para se alimentar. Uma dica útil é colocar um lembrete no celular para avisar que está na hora da próxima refeição, principalmente para os lanches (manhã e tarde) que, devido à correria do dia a dia, são mais fáceis de esquecer. Crie esse hábito e pratique!

Retirei do Facebook - Natural Force

quarta-feira, 13 de março de 2013

Dormindo com um amigo!!



Polêmica à vista! Pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém concluiram que ingerir carboidratos à noite não engora mais do que durante o dia e ainda é bom para o seu organismo e ajuda sua dieta! O assunto ainda é polêmico. Vamos ver o que dizem ambos os lados e ao final você tira sua própria conclusão.

O discurso dos que pregam o corte de carboidratos na parte da noite é o seguinte: durante o sono, o metabolismo do corpo desacelera, por isso a digestão e absorção desses carboidratos poderia acabar na forma de estoque de gordura, uma vez que queima de energia enquanto dormimos é pequena

Já a pesquisa afirma que a ingestão de carboidratos no período noturno (sem excessos, é claro) estimula de forma significativa a produção de hormônios que atuam na sensação de saciedade e também no mecanismo de acúmulo de gordura no corpo, favorecendo quem quer emagrecer. Vamos nos aprofundar neste estudo?

Ao ingerir carboidratos no período noturno há aumento da produção de um hormônio que é o responsável pela sensação de saciedade (papo técnico: Leptina), que inclusive se manteve alta durante todo o dia seguinte, fazendo com que a pessoa sinta menos fome durante esse período. Outro benefício é o aumento da produção de Adiponectina, que tem a maravilhosa função de evitar o depósito de gordura (suas artérias curtiram isso) e potencializar a ação da insulina, ajudando inclusive a reduzir o risco de diabetes.

Outro benefício comprovado com a ingestão de carboidratos à noite foi a queda de quase 28% nas taxas de uma proteína chamada C-reativa, que indica estados inflamatórios, ou, em bom português, um marcador importante para atestas doenças cardiovasculares. E como se isso tudo não bastasse, fez subir as taxas do colesterol HDL, o bom colesterol. Resultado? Perda de gordura na região abdominal.

Desde as primeiras semanas do blog eu venho batendo na mesma tecla: nosso corpo vem equipado com mecanismos de sobrevivência primitivos. Quando passamos fome, fazemos dietas radicais ou suprimimos carboidratos o corpo não compreende que você está de dieta, ele acha que você está passando necessidades, escassez de comida, crise, risco de vida. A reação imediata e, diga-se de passagem, muito inteligente, é reduzir o metabolismo, queimar o mínimo possível de calorias para as funções básicas e estocar o máximo possível de gorduras para te ajudar a sobreviver a essa “crise”.

Pense da seguinte forma: todos os dias entram dez mil reais na sua conta bancária, mas sem que você saiba. Ao final do dia, quando você chega em casa e verifica sua conta, alguém retira todo o dinheiro e deixa apenas dez reais. Você chega a conta e pensa “Putz, estou pobre. Hora de conter despesas” e no dia seguinte, não gasta quase nada achando que faltará dinheiro. Novamente, entram mais dez mil na sua conta, mas no final do dia alguém retira todo o dinheiro e ao checar sua conta você vê apenas dez reais novamente. Resultado: você vai viver se esforçando para gastar o mínimo possível quando na verdade tem uma margem enorme de gasto que desconhece e não pode usufruir. É isso que acontece ao cortar carboidratos por algum período, é assim que seu corpo se sente: falido.

É por isso que eu sempre disse aqui que cortar carboidratos não é uma boa ideia. Muito pelo contrário, o ideal é comer pelo menos de três em três horas, para que seu organismo pense “Oba! Fartura! Fase boa, excesso de alimento, posso gastar à vontade” e queima todas as calorias que quer para exercer funções vitais rotineiras, como batimento cardíaco, respiração e outros. Quer que seu corpo gaste o máximo possível para se manter vivo e executar estas atividades (papo técnico: metabolismo)? Dê a ele o combustível que ele precisa. Nem mais (se não sobra combustível e ele é estocado na forma de gordura) nem menos (se não ele entra em modo de contenção de gastos).

O quanto seu corpo precisa de combustível? Isso quem vai te responder é um nutricionista, com base no seu peso, na sua saúde, na sua rotina e na sua alimentação. Mas já te adianto que para seu corpo viver feliz e com sensação de fartura, tem que entrar comida com frequência (pelo menos de três em três horas), e comida que sacie e alimente, não um brigadeiro.

A conclusão final é a de sempre: dietas muito restritivas não dão certo, fazem mal ao seu organismo e podem até te emagrecer, mas não te mantem magro por muito tempo. Nada melhor do que aumentar a sensação de saciedade durante seu dia para conseguir levar adiante sua dieta. A questão da ingestão de carboidratos no período noturno provavelmente vai continuar controversa por muito tempo e você deve estra se perguntando em quem acreditar. Eu respondo: NO SEU CORPO. Pesquisadores se enganam o tempo todo, seu corpo não se engana nunca. Faça o teste e veja como a dieta flui melhor para você, ingerindo carboidratos à noite ou não.

Eu sou favorável à ingestão de carboidratos durante todo o dia, mas também sou favorável a que as pessoas escutem seu próprio corpo e respeitem suas peculiaridades. Nada como seu corpo para te dizer o que é melhor para você!

Textos relacionados:

http://oseupersonal.com.br/amigo-amigo/

http://oseupersonal.com.br/i-cant-get-no-satisfaction/

Fonte: http://oseupersonal.com.br/dormindo-com-um-amigo/

sexta-feira, 8 de março de 2013

Saúde da Mulher



Hoje, dia 8 de março, é comemorado o Dia Internacional da Mulher, data em que o mundo todo celebra as conquistas feministas e alerta sobre os problemas que afetam cada vez mais a saúde e a qualidade de vida da mulher.

Nos últimos séculos, diferentes funções foram atribuídas à mulher, como cuidar da casa, dos filhos, do marido e trabalhar fora. Porém, essa rotina agitada interfere na alimentação, no humor e facilita o sedentarismo. A falta de tempo, por exemplo, proporciona a ingestão de alimentos rápidos, extremamente calóricos e cariogênicos, que favorecem o surgimento de cáries e podem gerar excesso de peso.

Para evitar este problema, é aconselhável escolher alimentos saudáveis, evitar ingestão de muitos açúcares e ter uma higienização adequada, com escova, creme e fio dental. Assim, é possível promover a saúde bucal não só da mulher, como de toda a família.

Além das doenças bucais, a alimentação inadequada pode causar outros problemas à saúde. Você sabia que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, no mundo, 13% a 18% das mulheres acima de 50 anos possuem osteoporose? No Brasil, aproximadamente 10 milhões de pessoas sofrem com esta doença, que pode ser amenizada com o consumo de alimentos fontes de cálcio, como leite, queijos, iogurtes e produtos fortificados com este micronutriente, que fortalecem os ossos e diminuem o risco de fraturas.

A recomendação de cálcio para mulheres na fase adulta, entre 19 e 50 anos, é de 1000mg e de 1200mg a partir de 51 anos de idade.

• 1 copo de 200ml de leite desnatado = 230mg
• 1 copo de 200ml de leite integral = 246mg
• 1 fatia grossa de queijo minas frescal = 231,6mg
• 2 fatias médias de queijo mussarela= 206,8mg
• 1 unidade comercial de iogurte natural de 200g = 286mg
• 1 unidade comercial de iogurte integral de 200g = 314mg

Saiba mais
- A pílula anticoncepcional associada ao cigarro aumenta o risco de trombose e AVE (derrame), assim, para o bem de sua saúde, descontinue o tabagismo;

- Os fogachos (ondas de calor) estão entre as queixas mais frequentes e incômodas apresentadas por mulheres na menopausa. Existem tratamentos eficazes, como a Terapia de Reposição Hormonal, mas só o médico poderá orientar a mais indicada para o seu caso;

- A vontade de comer chocolate na TPM pode acontecer por carência de magnésio, nutriente encontrado em outras fontes, como soja, figo, abacate e vegetais folhosos verde-escuros. A falta desse micronutriente pode alterar o humor, gerar compulsão alimentar, fadiga e dores de cabeça. Por isso, a vontade de chocolate é tão intensa. Mas é aconselhável fazer escolhas mais saudáveis, pois o chocolate, embora tenha o benefício do magnésio, traz consigo alta concentração de açúcares e gordura;

- A retenção de líquidos (inchaços) em mulheres de todas as idades é muito frequente, em geral, localiza-se nas pernas, ocasionando sintomas, como cansaço, sensação de peso, dor ou limitações funcionais. As causas dessas retenções podem estar associadas a disfunções vasculares, renais, ergonômicas, uso de certos medicamentos, relacionadas ao sedentarismo, entre outras, devendo, portanto, ter a sua causa sempre investigada. Em muitas dessas condições, a fisioterapia pode auxiliar no tratamento e reduzir o desconforto. Exercícios específicos, drenagem linfática e reeducação postural podem ser algumas das estratégias para minimizar esses sintomas, sendo por vezes necessária a participação de outros profissionais, como nutricionista, psicólogo, educador físico, entre outros;

- Durante a TPM ocorre uma queda dos níveis de serotonina, que é um transmissor químico ligado ao sentimento de felicidade. Durante este período é interessante consumir leites, carnes, peixes, soja, amendoins, bananas, pois estes alimentos possuem um nutriente conhecido como triptofano, que vai ajudar a aumentar a produção de serotonina.

Fonte: Policlínica Universidade Metodista