sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

A FARSA DO PÃO INTEGRAL


..."Sabe aquele pão que você come de consciência limpa, crente que é integral ? Pois bem, na MAIORIA das vezes, ELE NÃO É.
A questão é que, no Brasil, pra uma empresa chamar de “integral” um produto, basta ele ter alguma quantidade desta farinha - mesmo que muito pequena. Pergunta: como saber que pão comprar e comer?
Fácil: vá direto pra lista dos ingredientes. Se o 1º deles for “farinha de trigo enriquecida com ácido fólico”, esse moreno é branquelo!
Isso porque é obrigatório listar os ingredientes de acordo com a sua quantidade, em ordem decrescente. Agora você já pode comprar, PELO MENOS, aquele cujo 1º ingrediente seja “farinha de trigo (ou de centeio) INTEGRAL”, mas... Por que PELO MENOS?
É que, fazendo isso, você garante que a MAIORIA do pão seja integral - o que sem dúvida, já é alguma coisa, mas não é o ideal. O melhor é que ele seja 100% integral... E SIM, ELE EXISTE! Sua embalagem estampará “100% INTEGRAL” e na lista dos ingredientes, a única farinha mencionada será justamente ela, a integral.
Agora (antes até de ir ao mercado, rs!) já sabe, né?
Alerte todas as amigas, e amigos, compartilhe e PASSE ADIANTE!"

Retirei do facebook - Thiago Varella

Um dos nossos leitores - Pedro Menchik - sugeriu a leitura do seguinte artigo -> http://alimentandoadiscussao.com/2013/03/15/pao-integral-que-nao-e-integral/
Muito interessante!! Obrigada Pedro!!

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Adorei...kkkkkk..

Efeito sanfona e a eterna luta contra a balança...


(Yahoo)

Quem tem tendência a engordar sabe que o mais difícil na dieta é manter o peso ao final do processo. O equilíbrio entre calorias ingeridas e gastas é uma linha muito tênue e o mundo está repleto de alimentos altamente tentadores e calóricos. Mas não desanime, essa guerra pode ter um fim com você no campo dos vencedores. Veja dicas para acabar com o eterno engorda-emagrece, mais conhecido como efeito-sanfona.

"Nosso organismo é o mesmo do homem primitivo. Quando emagrecemos, é como se não conseguíssemos caça ou alimento. Nossos genes, que defendem o depósito de gordura, vão ativar vários mecanismos para tentar recuperar o peso, diz o endocrinologista Walmir Coutinho.

Então, se a perda for agressiva, o corpo entende que é um problema e precisa ser contornado. O ideal é deixar a impaciência de lado e investir numa perda de peso longa e gradual, pois seu corpo se ressente dessas súbitas alterações e gera alguns péssimos resultados, como, por exemplo:

*Aumento da incidência de câncer : Estudos relacionam o efeito sanfona de mulheres na menopausa com o surgimento de câncer retal. Além disso, a concentração de gordura abdominal em qualquer idade aumenta o risco de câncer nos rins.

*Estrias e flacidez: O estica-encolhe da pele abre as portas para o surgimento desses dois vilões. Manter o peso estabilizado propicia à pele o tempo necessário para se recuperar da mudança. Segundo o dermatologista Adilson Costa, as estrias apresentam influência genético-familiar importante. "As dermatoses são regidas em boa parte pelos genes; portanto, todas as vezes que essas mulheres [com predisposição genética] são expostas a fatores agravantes, como aumento de peso, há o aparecimento de dermatoses. Uma boa opção para evitar que elas se manifestem é controlar o peso por meio de uma dieta hipocalórica associada a exercícios físicos e à adoção de hábitos saudáveis".

*Perda de músculos: Dietas muito restritivas geram emagrecimento rápido, mas não necessariamente a perda é de gordura e sim, músculos. Isso diminui o metabolismo e torna ainda mais difícil manter o peso.

*Dificuldade gradativa de perder peso: Se a perda de peso é rápida, ao final da dieta o corpo está mais propenso a recuperar tudo o que foi perdido e com juros. Normalmente não é possível se manter na linha após atingir o peso, pois esta perda está associada a longos períodos de uma dieta altamente restritiva. A ingestão descontrolada de calorias, associada à desaceleração do metabolismo pelo organismo, que exige cada vez menos alimento para se manter, gera uma bomba relógio que culmina com o retorno de todo o peso perdido e mais alguns.

Após todos esses pontos, é possível perceber que dietas drásticas e monótonas geram efeito sanfona e aumentam o nível de dificuldade para quem está querendo emagrecer a cada dieta fracassada.

Nunca é tarde para se reeducar e incorporar saúde à rotina, com exercícios físicos e uma dieta mais equilibrada, evitando excessos. Essa atitude gera uma perda de peso gradual, com menos traumas para o organismo. Tornando-se um hábito, a diminuição de peso e a estabilidade no corpo ideal acabam surgindo naturalmente.

Segundo o mestre de Kung-fu Alpoim , "Você não engordou em um dia, não queira emagrecer em um dia". Seja consciente, faça boas escolhas e dê adeus ao efeito sanfona!

Retirei do facebook - Vida de Casada